28/9/2015

Lucas Alves

 

O governo brasileiro apresentou sua Contribuição Nacionalmente Determinada (INDC, em inglês) para a Conferência de Mudança do Clima das Nações Unidas (COP21), que será realizada no início de dezembro em Paris, na França.

O anúncio ocorreu no final de setembro, durante a Assembleia Geral da ONU, pela presidente Dilma Rousseff, que apresentou a proposta de redução de 43% em números absolutos das emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2030, com base no nível de 2005.

Para alcançar os percentuais apresentados na INDC, o Brasil se compromete a:

– assegurar 45% de fontes renováveis na matriz energética

– acabar com o desmatamento ilegal na Amazônia

– restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares

– recuperar 15 milhões de hectares de áreas agrícolas degradadas

– integrar 5 milhões de hectares de lavoura-pecuária-floresta

 

A INDC foi bem recebida pela comunidade científica internacional e por organizações ambientais, que a consideraram robusta, já que o Brasil é um dos poucos países em desenvolvimento a apresentar uma meta absoluta de redução de emissões de GEE.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, afirmou que o País está focado no futuro. “Há enormes desafios, mas o Brasil não se apequenou. Chegaremos em 2030 com uma população em crescimento, mas também com capacidade de desenvolvimento e redução das emissões”, afirmou.

O governo brasileiro também informou que o Brasil já alcançou a maior parte da meta voluntária apresentada em 2009, durante a Conferência do Clima de Copenhague (COP15), que era reduzir entre 36,1% e 38,9% as emissões de GEE até 2020.

As informações oficiais dão conta de que em 2012 as emissões caíram 41% em relação ao nível registrado em 2005, como resposta ao combate ao desmatamento e a outras ações da Política Nacional de Mudança do Clima.

A COP21 terá como objetivo estabelecer um acordo entre os 190 países signatários da Convenção do Clima – estabelecida no Brasil, durante a Rio-92 – para reduzir globalmente a emissão de GEE, que provoca o aumento da temperatura do planeta.

 



Últimas da Imprensa

ver mais dados da imprensa
x