12/12/2018

Solange Sólon Borges

Em Katowice, Polônia, sede da COP24 (3 a 14/12), o governo brasileiro anunciou no último dia 11, que conseguiu antecipar, em dois anos, o alcance de compromisso proposto para 2020, em sua Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC), firmado no Acordo de Paris. De acordo com dados apresentados no dia 11, o Brasil alcançou sua meta de redução de emissões de gases de efeito estufa (GEE) proposta para 2020. O ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, chefiou a equipe brasileira.

De acordo com o governo brasileiro, o resultado foi possível em virtude das ações na área florestal com redução de 1,28 bilhão de toneladas de carbono de agosto de 2017 a julho de 2018. Também foi anunciada a queda de 11% do desmatamento no Cerrado e foi realizado levantamento de áreas em processo de recuperação. Em 2018, atingiu-se a meta de reduzir em 60% as emissões do setor florestal, o que era esperado somente daqui a dois anos.

“Os dados são um lembrete eficaz de que mesmo países em desenvolvimento que enfrentam desafios econômicos e sociais podem cumprir seus compromissos pré-2020 com ações fortes e focadas”, declarou o ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte.

O cálculo é relativo às emissões projetadas para 2020, conforme o compromisso apresentado pelo País, em 2009, na Conferência do Clima de Copenhague. O setor florestal absorveu 538 milhões de toneladas de carbono, dos quais 179 milhões de toneladas correspondem às Terras Indígenas (TIs), 220 milhões às Unidades de Conservação (UCs) federais e 139 milhões às Áreas de Preservação Permanente (APP) e Reserva Legal (RL), registradas no Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural (SiCAR).

O Brasil também anunciou que foram identificados 9,4 milhões de hectares de área em processo de recuperação da vegetação nativa no país. O compromisso é recuperar 12 milhões de hectares de vegetação até 2030.

“É importante entender melhor as condições dessas áreas onde ocorre a recuperação natural da vegetação porque isso pode diminuir os custos da recuperação em larga escala na Amazônia”, declarou o ministro Edson Duarte.

Com informações do Ministério do Meio Ambiente (MMA)



Últimas da Imprensa

ver mais dados da imprensa
x